Candidato recorre e eleição suplementar de Lajeado volta a ter duas chapas

0

Pedido de registro de candidatura de Antônio Alves Oliveira (PSL) vai ser reavaliado pelo pleno do TRE. Ele vai aparecer nas urnas e poderá receber votos.

A eleição suplementar para prefeito de Lajeado (TO) voltou a ter duas chapas. O candidato Antônio Alves Oliveira (PSL) apresentou recurso após ter o registro negado pela primeira instância da Justiça Eleitoral. Os prazos para que o candidato apresente argumentos ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) só termina depois do dia da votação: 1º de dezembro.

Por este motivo, o nome dele deverá aparecer nas urnas e os votos serão contabilizados normalmente. Os aparelhos eletrônicos recebem as informações de quem são os candidatos dias antes da eleição e então são lacrados. A cerimônia de lacração, como é conhecida, está marcada para o dia 28 de novembro. Depois desta data, não é possível fazer alterações nas informações dentro das urnas.

A quantidade de votos de Antônio Alves Oliveira não será divulgada no dia da apuração, uma vez que ele está concorrendo enquanto recorre. O número só se tornará público caso o pleno do TRE aceite a candidatura dele. Caso o pedido seja rejeitado novamente, o candidato ainda poderá recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A impugnação foi solicitada pela outra chapa, encabeçada por Antônio Luiz Bandeira Junior (PSB). Eles afirmaram que Oliveira não atende às condições de elegibilidade de filiação partidária, nem está em pleno gozo dos direitos políticos. A questão será analisada pelo pleno do TRE e a próxima sessão ordinária está prevista para o dia 2 de dezembro, mas não é possível afirmar se o tema vai entrar na ordem do dia nesta data.

Entenda

A votação será no dia 1º de dezembro e os eleitos serão diplomados até o dia 16 de dezembro. Quem vencer fica no comando da cidade até o final do ano que vem. A nova eleição foi convocada após a cassação do prefeito Tércio Dias Melquiades Neto (PSD).

A cassação foi motivada por acusações de que ele e o vice, Gilberto Borges (PSC), foram beneficiados com um esquema que envolvia compra de votos nas últimas eleições municipais ocorridas em 2016. Os dois negam as acusações e recorreram da condenação.

Atualmente a cidade está sob o comando do presidente da Câmara de Vereadores de Lajeado, José Edival Gomes (MDB).

Tércio Dias chegou a anunciar a intenção de concorrer na eleição suplementar, mas não teve sucesso e acabou precisando renunciar à candidatura.

DEIXAR COMENTÁRIO

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui