Para fugir da crise na Venezuela, imigrantes chegam a Palmas e ocupam rodoviária em busca de trabalho

0

Segundo a prefeitura, cerca de 50 venezuelanos indígenas estão na capital. Órgãos montaram força-tarefa para regularizar a situação dos imigrantes; alguns são resistentes às vacinas.

Sem ter onde ficar, cerca de 50 venezuelanos que chegaram a Palmas há alguns dias montaram acampamento na rodoviária, região sul da capital. No terminal, crianças e adultos indígenas estenderam lençóis no chão para passar a noite. Durante a manhã, eles vagam pelas ruas para pedir comida e procurar trabalho.

Voluntários se mobilizam para arrecadar alimentos e doar às famílias. Nesta quarta-feira (20), várias entidades federais, estaduais, municipais e organizações civis se reuniram no Ministério Público Federal para mobilizar uma força-tarefa em prol das sete famílias refugiadas na cidade.

Um levantamento da prefeitura apontou que são cerca de 50 pessoas que buscam em Palmas o refúgio da crise política e econômica na Venezuela.

O representante dos povos indígenas disse que eles já passaram por vários estados do Brasil, como Amazonas, Pará, Maranhão e Goiás, e até o momento não conseguiram se estabelecer, e pedem condições para poderem trabalhar e colocar suas crianças nas escolas.

Órgãos montam força-tarefa para regularizar situação dos venezuelanos em Palmas — Foto: Divulgação

O trabalho de ajuda é difícil por se tratar de refugiados indígenas, que têm referências diferentes dos brasileiros, segundo a secretária municipal de Desenvolvimento Social, Valquíria Rezende. “As providências estão sendo tomadas. A preocupação da prefeitura é quanto ao respeito a etnia, por isso, esse serviço de abordagem deve ser cauteloso na condução de resultados”.

A prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Saúde iniciou a vacinação dos imigrantes, mas alguns não aceitam ser vacinados. Valquíria destacou que os refugiados têm direitos e deveres, e dentre os deveres é serem vacinados e respeitar as leis brasileiras.

Outro problema é que os imigrantes não dominam a língua portuguesa, não têm cartão de vacinação e documentos das crianças. A Defensoria Pública Federal irá ajudá-los quanto à documentação de imigração.

Conforme a prefeitura, outra reunião deve ser realizada na próxima sexta-feira (22) no auditório do Ministério Público Federal (MPF) para que as instituições possam apresentar as estratégias de ações aos venezuelanos.

DEIXAR COMENTÁRIO

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui